"E me mantive quieta e muda."

Desabafo


O mundo está em total desordem: drogas, violência por vários ângulos, educação, justiça, família. Enfim, é interminável as suscitas irrelevâncias que nos trazem indignação, tristeza, medo insegurança... E são estes sentimentos que hoje, cada vez mais, nos rodeiam. Ontem, agora, amanhã. Que vida teremos? A de isolar-se, trancafiar-se, maltratar-se? A medida que o tempo voa com asas intocáveis e transparentes nos respondem que talvez, esta seja a futura realidade. Mas como mudá-la? Não há resposta, pois a retórica política e religiosa não mais nos convence.
Medo. Este brutal senhor nos afaga com um dia lindo, flores no campo e no asfalto; sombra de coqueiros. Quando tudo isso passa vem o escuro, o qual tememos. Se dormimos pensamos estar seguro, mas a eterna escuridão nos vela. E nem adianta pedir: durma medo meu. Ele não te deixará adormecer.
Ouço ruídos de que as crianças são o futuro do país. Talvez mentimos em dizer, porque a nossa realidade afeta e muito, seus sentimentos desejáveis. Nossas crianças estão entrando precocimente e assustadoramente nos meios em que há drogas, sexualidade, corrupção. Portanto, fica a pergunta: onde é que vamos parar? se é que vamos conseguir parar!
Escrito por: Francimare Araújo

3 comentários:

Marton Olympio disse...

Obrigado pelas palavras gentis no Blog.
Vc entendeu bem o espírito da coisa.
Ou um deles.
O espaço é nosso.
Entre e fique a vontade :)

Flor de Azeviche disse...

Realmente, se é que vamos conseguir parar. Eu sou do tipo que ainda tem uma ponta de esperança no fundo do peito. Se eu não tiver, o que vai ser de mim nesse mundo?

Adorei o post!

Francimare Araújo disse...

Olá Flor, e foi nesse pensamento que escrevi o post... com tantas coisas acontecendo bate um desânimo, preocupação... Obrigada! ;)