"E me mantive quieta e muda."

No Dorso da Hipocrisia



A educação nos moldes contemporâneos. Estamos a mercê de um tempo onde a educação já prega um outro lado, não a educação em si, mas os seus, ou os que se dizem "educadores". Eles por métodos simples, nem tão eficazes, pois não é nada fácil ser um educador zelam por uma classse onde nada vale mais que o saber. Mas eis a questão: para que ser um educador? Sem dúvida alguma essa é a pergunta que não quer calar. O tempo em que se vive nada é mais valioso que a educação, o foco está onde há disciplina, nos seres "educados".
Vejamos, no entanto, o que vale mais: educador x educação. Isso mesmo! Nos dias em que sucedem o educador desaprendeu a educar, falo de qualquer forma que venha a interpretar. Digo, o que suscitará na fragmentação de uma vida. Nossos educadores perderam a prática de ensinar, alunos também perderam a prática de aprender, somos uma bola de neve na qual nunca sairemos. Não quero dizer que os educadores se enquadram em tais definições, pois graças aos deuses existem grandes e relevantes excessões. Mas aqui, no século XXI a educação fica a desejar. Espero um dia contar o contrário.
Citarei aqui momentos em que desanimei extremamente, onde passei a guiar-me na educação que me vale, que enche a minha cabeça do saber. Bem, presenciei um dia na secretaria de um colégio onde se encontravam a secretária, coordenadora, professora do colégio e alunos, eu inclusive. A secretária saiu para chamar uma aluna na sala de aula, retornou dizendo que esta não estava na sala e o professor sim, mas ela, matando aula. Pois bem, a menina apareceu e foi até a secretaria onde estavam ainda todas as pessoas que mencionei. A secretária conversou sobre o assunto que queria tratar e deu conselhos para que ela não matasse mais aula. E todos lá, presenciando o constrangimento que estava estampado na cara da menina. Quando a menina saiu, a coordenadora levantou-se e disse em altíssimo e bom som: " Agora uma nojentinha dessa fica perdendo aula..." Pasmei-me, todos se olharam e aquele silêncio dramático pairou por alguns minutos. Não mais de 10 minutos me retirei da sala com o meu amigo, naquele local não queria mais ficar. Quando saimos eu disse: " Ela é uma educadora e está em um recinto escolar. Acho que como saimos agora ela já deve estar nos chamando de nojentinhos também." Pois foi essa a sensação que me deu, queria dizer algo a ela, mas preferi calar-me e engoli tudo com a menina. Essa foi uma ocasião de repúdio, de mais eu quero dizer, porque em outra ela chamou um amigo meu em sala de aula, com mais ou menos 27 alunos, de retardado porque deixou de se inscrever no vestibular, certo que ele foi desatento a data prevista para o término das inscrições, mas isso não justifica a coordenadora do colégio chamar o menino por tal adjetivo.
E é aí que me pergunto, o que vale mais: educador ou educação?
Penso que a educação pois o educador pode morrer em uma dessas esquinas pela falta do saber.

14 comentários:

Marcel PH disse...

Extremamente bem escrito o texto, parabéns. Eu vejo que não há como o educador ter bom-humor: com saláros baixos, qualificação baixa e falta de valorização por parte dos alunos um professor não irá respeitar sem ser respeitado. Hoje, vive-se num momento em que os alunos não veem o professor como estando ao seu lado, ajudando-o a aprender e vencer o vestibular, mas como inimigo que quer ferrá-lo nas provas e deixar seus dias mais monótonos.

Marcel PH disse...

Estou te seguindo.

Francimare Araújo disse...

O professor merece sim um bom salário, melhores condições de trabalho e tal, mas as vezes é muito desanimador ver um professor (a) agindo de tal forma.
Precisamos de algo que nos impulsiona...

Raul Max disse...

Ótimo!

Eu como aluno, muitas vezes vejo o professor como: "inimigo que quer ferrá-lo nas provas e deixar seus dias mais monótonos"

Douglas Funny disse...

Há casos e casos. Realmente não dá pra esperar uma atitude dessas de um professor, mas existem muitos professores que mais do que profissionais são grandes amigos.

Alguns influenciaram muito minha vida.

Bjokas.

Deni Maciel disse...

e pra piorar as pessoas escrevem mais em computadores do que a mão.
dando margem a mais erros e a mais "vergonhosidades!..
enfim..
sempre bom passar aqui .
abraços
ótim quinta
e feliz dia do MP-24 vem com TV.
radio am [exclusivo] e fm e ainda gravador de blue ray.
¬¬
abraços de novoooo
fui.
FDs a vistaaaaaaa...mas bm q poderia ser a prazo...passaria mais devagar!

Francimare Araújo disse...

Funny: Eu concordo plenamente com você, tenho inúmeros exemplos e carrego na bagagem alguns professores que tornaram-se amigos essenciaisem minha vida.


Deni: Certas coisas, infelizmente, mudam ao passar do tempo.
Ótimo FDS pra você também.


Obrigada pela visita pessoal!
Besos!

Arine Luana disse...

Um texto bem escrito!! Mas fico pensando, em um momento, em uma atitude....Sou professora, me formando, tentando ser uma boa profissional. Ás vezes é tão fácil julgar, nós educadores passamos as manhãs, tardes, noites até madrugadas, preparando aulas tentando encontrar um modo de fixar a atenção do aluno, tentando criar uma aula interessante, criativa. Chegamos entusiasmados, cheios de gás.... E o que encontramos?!?! Alunos desinteressados, conversadores, porque hoje o assunto deles é uma festa, é um fuxico, são mil e uma coisas que em nenhum momento se trata da aula, nós?!? Desanimamos, ficamos desestimulados. Então vem o pensamento o erro é meu, o problema é comigo! Mas depois eu noto, não, não sou eu, são os adolescentes de hoje, que não tem tempo pro estudo, que os pais pecam na educação, ou que eles mesmo não tem interesse neles. Acontecem coisas que vocês não compreendem, mas que acontece! Pais que chegam pra nós professores, pra reclamar porque o filho tirou nota vermelha, porque meu filho recebeu suspensão, você está aqui pra aprovar ele, pra educar ele, se questionamos que ele não faz o dever, não se comporta, que não colaboram com a aula, eles simplesmente falam não me importo com isso, quero saber é sobre isso!! Que pais são esses?.... Pois bem, sei que não é certo o que ela fez,mas você sabe o que se passava naquele momento, nunca falaram de um professor?!?Nada justifica um erro..... Simplesmente não entendemos todos, às vezes você não entende um professor mais outro aluno compreende muito bem. A partir do momento que você disser eu odeio ou não gosto tão matéria, tenha certeza a matéria tornar-se a mais chata, a mais monótona de todas. Não existe assunto desinteressante, o que existe são pessoas desinteressadas.

Parabéns pelo Blog!

Francimare Araújo disse...

Arine: e foi por isso que, no texto, citei: "Nossos educadores perderam a prática de ensinar, alunos também perderam a prática de aprender, somos uma bola de neve na qual nunca sairemos."

O que acontece é que em um momento, como o aqui apontado, o professor acaba com tudo que se presa por eles em tão pouco tempo, em alguns segundos...


Obrigada por ler, obrigada por comentar.

Beijo grande!

Professor Lourinaldo disse...

Muito bem! Vejo que estás conseguindo trazer à tona assuntos polêmicos, trazendo o público para a discussão. Procure sempre ser imparcial no julgamento do ponto de vista dos leitores.
Parabéns, "continue em frente que atrás vem gente"...
Professor Lourinaldo

Francimare Araújo disse...

Lourinaldo: Obrigada pelas dicas, e olha, eu levo em consideração todas elas. Obrigada por estar aqui e principalmente, por me motivar.

Obrigada a todos que aqui estão, obrigada também aos que leem e não comentam.

Beijo grande! ;)

Velho Curinga disse...

bom post. gosto de textos que mostram posicionamentos.

Lucas Lima disse...

muito bem escrito, eu sou apaixonado pela educação, ainda viverei pra isso, e hoje creio que todos os lados tem algo de erro, e menos lados de acertos...
bons dias

Lenadro Santa Rosa disse...

Parabéns pelo texto! Bem , eu como aluno vejo adversos problemas... Tanto do aluno para com o professor, como o professor para com aluno.
Realmente é uma relação muito complicada.Existe sim solução, mas essa,vem a longo prazo.