"E me mantive quieta e muda."

Vida Interiorana

A feira com todas as suas cores, sabores e pessoas. Com uma amplitude de tudo que a compõe somos capazes de observar vários fatores, estes que nos respondem o que somos, o nosso cotidiano, a nossa cultura.
As pessoas que frequentam a feira não somente a visitam para comprar frutas e outros alimentos, é também um espaço para passeio, onde pessoas matinam em busca do sábado animado e em cores. Pois, nela encontramos artistas de diversos aspectos: músicos, escritores (mesmo poucos) e aqueles que com a arte da venda, divulgam seus produtos e vivem dela. São homens e mulheres, das roupas a carnes. Rostos que refletem a labuta incansável de estar em meio a multidão, a toda essa barulheira. Amizade é um fator fundamental para os comerciantes, clientela feita e um tanto de amigos prontos para no sábado estar lá pontualmente. Na feira não basta tentar vender é necessário o poder da persuasão para atrair a sua barraca, o seu sabor. E é nesse âmbito onde a criatividade entra como fiel a seu poder, são frases como: " Mulher bonita não paga, mas também não leva", ou mesmo os gritos, que chamam toda atenção.
Cultura viva em cores e sabores, é assim que traduzo essa grande manifestação.




"Olha é de capota ou é de caída
Adocicada, amadurecida
Olha a mangaaaaba."

Nino Karva

2 comentários:

Lucas Lima disse...

ainda aposento e vou pro interior, rsrs, ou praia vender coco, rs
bons dias

Francimare Araújo disse...

Muito boom Lucas, adoro o clima do interior...